Fechar
Pesquise no conteúdo

Dia do Diabético – veja quais os fatores de risco e como controlar a doença

Data: 14/11/2017

  • 14.11: Dia do Diabético – veja quais os fatores de risco e como controlar a doença

A diabetes é uma doença crônica na qual o corpo não produz insulina ou não consegue empregar adequadamente a insulina que produz. É uma doença silenciosa, o que significa que geralmente, se não forem feitos exames médicos, a pessoa pode não ter consciência de que tem esta condição até começar a apresentar complicações.

Os principais fatores de risco para o desenvolvimento da Diabetes são:

  • Excesso de peso e obesidade;
  • Ingestão de açúcar e gordura em excesso;
  • Sedentarismo;
  • História familiar e herança genética;
  • Idade;
  • Stress;
  • Alcoolismo;
  • Pré-Diabetes;
  • Hipertensão;
  • Diabetes gestacional prévia;
  • História de doença cardiovascular prévia;

A prevenção da Diabetes, para quem tem um ou vários destes fatores de risco mas não tem a doença, passa por adotar um estilo de vida mais saudável e consultar o médico, fazendo exames regulares. Embora a Diabetes não tenha cura, um bom controle da glicemia vai permitir uma vida perfeitamente normal e saudável para quem for diagnosticado com a doença.

A prevenção e o controle da Diabetes envolvem cinco pontos importantes:

  • Conhecer bem a Diabetes;
  • Adotar uma alimentação saudável e equilibrada;
  • Praticar exercício físico de forma regular;
  • Controlar periodicamente os níveis de glicemia no sangue;
  • Tomar a medicação quando prescrita pelo médico.

É importante que o diabético conheça bem o seu tipo de Diabetes, só dessa forma pode cumprir e melhorar o tratamento.

Existem diferentes tipos de diabetes:

Diabete tipo 1- Em algumas pessoas, o sistema imunológico ataca equivocadamente as células beta. Logo, pouca ou nenhuma insulina é liberada para o corpo. Como resultado, a glicose fica no sangue, em vez de ser usada como energia. Esse é o processo que caracteriza o Tipo 1 de diabetes, que concentra entre 5 e 10% do total de pessoas com a doença. O Tipo 1 aparece geralmente na infância ou adolescência, mas pode ser diagnosticado em adultos também. Essa variedade é sempre tratada com insulina, medicamentos, planejamento alimentar e atividades físicas, para ajudar a controlar o nível de glicose no sangue.

Diabetes do tipo 2 - O Tipo 2 aparece quando o organismo não consegue usar adequadamente a insulina que produz; ou não produz insulina suficiente para controla a taxa de glicemia. Cerca de 90% das pessoas com diabetes têm o Tipo 2. Ele se manifesta mais frequentemente em adultos, mas crianças também podem apresentar. Dependendo da gravidade, ele pode ser controlado com atividade física e planejamento alimentar. Em outros casos, exige o uso de insulina e/ou outros medicamentos para controlar a glicose.

Diabetes gestacional - Durante a gravidez, para permitir o desenvolvimento do bebê, a mulher passa por mudanças em seu equilíbrio hormonal. A placenta, por exemplo, é uma fonte importante de hormônios que reduzem a ação da insulina, responsável pela captação e utilização da glicose pelo corpo. O pâncreas, consequentemente, aumenta a produção de insulina para compensar este quadro. Em algumas mulheres, entretanto, este processo não ocorre e elas desenvolvem um quadro de diabetes gestacional, caracterizado pelo aumento do nível de glicose no sangue. O controle do diabetes gestacional é feito, na maioria das vezes, com a orientação nutricional adequada. Para cada período da gravidez, uma quantidade certa de nutrientes. A prática de atividade física é outra medida de grande eficácia para redução dos níveis glicêmicos. A atividade deve ser feita somente depois de avaliada se existe alguma contraindicação, como por exemplo, risco de trabalho de parto prematuro.

Pré-Diabetes - O termo pré-diabetes é usado quando os níveis de glicose no sangue estão mais altos do que o normal, mas não o suficiente para um diagnóstico de Diabetes Tipo 2. Obesos, hipertensos e pessoas com alterações nos lipídios estão no grupo de alto risco. É importante destacar que 50% dos pacientes nesse estágio 'pré' vão desenvolver a doença. O pré-diabetes é especialmente importante por ser a única etapa que ainda pode ser revertida ou mesmo que permite retardar a evolução para o diabetes e suas complicações.

Fonte: http://www.diabetes.org.br/publico/

Ver todas as notícias

Confira outras notícias